#dehappyabad | animador libriano fã de GOT



Marcelo Vitz criou seu perfil no #dehappyabad, plataforma digital de relacionamento para os corações trincados, na esperança de encontrar alguém que o faça sentir algo, que faça seu coração vibrar novamente. [expectativas foram criadas] Mas é algo involuntário, o coração tem vontade própria, né?


Revisou o perfil algumas vezes, pensando se deveria alterar algo, adicionar ou excluir alguma informação. Será que a frase está criativa? O perfil realmente diz algo real sobre mim? Então, surgiu uma mensagem de SMS em seu celular, sem remetente, contendo apenas com uma frase:

Eros, cum dilectione mea cor tuum imple

Ele achou estranho, pois se não era a operadora do celular ou o banco, quem estaria enviando SMS em pleno 2020? E que língua era aquela? O que queria dizer? Sem dar tanta importância, abriu sua playlist favorita e deitou, mergulhando em pensamentos diversos. Esperando algum match.


Eros, deus do amor e do erotismo, estava em um misto de ócio e reflexão quando escutou o canto entoado por um coração humano. Dos céus ele buscou o dono da melodia ritmada e, após um tempo na busca, avistou a criatura. O animador libriano estava deitado ouvindo Path da banda Apocalyptica.


A divindade, quase que esquecida pela humanidade, queria ir até o humano, mas precisava ser invocada. Sendo assim, magicamente fez conexão com a tecnologia e enviou as palavras do chamado para o produtor de TV, que ao ler o SMS, fez-se ponte com o ser. Eros foi até o humano e se apresentou, o que gerou susto, receio e descrença.


No entanto, passado a agitação da surpresa, o diálogo ganhou espaço. O deus contou que o amor é arte, assim como a música. Que cada encontro entre as pessoas gera um sentimento que possui letra, ritmo e melodia. Desabafou ao dizer que o amor tornou-se objeto vendido e descartado com muita facilidade, em toda parte.


- Criatura, ouvi o chamado do seu coração e vim. Gostaria de conversar contigo e quem sabe ser útil ao seu coração de alguma forma. Deixe-me lhe perguntar: o que é o amor para você?

Para mim o amor é a ligação mais forte entre dois seres. Ele pode surgir desde antes do nascimento e perdurar após a morte. Hoje o enxergo como um tecido que envolve com mais intensidade as relações entre familiares, já que a relação sanguínea carrega este senso de responsabilidade, zelo e proteção.

Por mais que muitos casais passem anos se cuidando e se curtindo, creio que possuem uma conexão diferente do que é dito como amor, pois no romance muitos outros sentimentos são misturados e confundidos.

- Conte-me, como foi que se apaixonastes pela primeira vez?

Não sei se houve uma primeira vez, assim de forma tão clara e precisa. Creio que comecei a me apaixonar por aspectos mais subjetivos de pessoas diferentes. Um pouquinho de uma, o jeito de outra, o olhar de outra, e assim juntei peças e construí uma paixão idealizada em minha cabeça. Não existiu uma “primeira pessoa”. Talvez hoje eu me sinta feliz por não ter este registro.

- Faço-lhe outra pergunta. Caso tenha ocorrido, de que forma descobristes o amor?

Descobri sem saber que estava amando. Até hoje tenho um pouco de dúvidas se o que eu sentia, de fato, era amor. E curiosamente, por não ser correspondido à altura, acabei ficando mais confuso ainda. Eu não sabia se o que eu estava entregando sentimentalmente era amor, já que eu não recebia quase nada de volta. E amor é troca.

- Fiquei intrigado. Para você, qual a diferença entre a paixão e o amor?

A paixão consegue ser mais cega que o amor. Com ela a gente ultrapassa quaisquer barreiras de sensatez, noção e juízo. Adquirimos uma necessidade incessante de agradar a pessoa a qualquer custo. Queremos estar presente o tempo inteiro, dar atenção o tempo inteiro, ser afagado o tempo inteiro. Até mesmo se não houver reciprocidade.

O amor é mais sensato; ele coloca alguns limites. Acho que posso exemplificar com essa frase: “É melhor darmos um tempo, você não está bem. Faço isto porque amo você”. Na paixão, essa frase seria impossível de acontecer. . - Os seres humanos são engraçados. Fiquei interessado em você e gostaria de ouvir suas histórias. Por favor, me diga uma coisa bela que aprendestes com seus relacionamentos.

Aprendi a ser paciente. E muito. Eu costumava ser muito ciumento, achava que por qualquer bobagem eu iria perder a pessoa. Talvez porque nos meus primeiros relacionamentos eu era muito inseguro, fui muito enganado, então minha autoestima foi caindo bastante.

Com o tempo eu passei a dosar até mesmo a intensidade da minha atenção e zelo. E cuidar da melhor forma que eu podia, tanto de mim quanto da relação em si. “Quando o mel é bom, a abelha sempre volta” (risos).

- O amor, assim como a rosa que és linda e perfumada, também possui espinhos. Então, qual aprendizado doloroso você teve através de suas aventuras amorosas?

Que tudo é passageiro, tem início, meio e fim. Que a paixão um dia acaba. Pode durar muito, mas sabemos que ela tem um período muito intenso e que depois só faz decrescer. E o pior: que talvez ela dure menos do que a gente imagina e projeta. Afinal, existem nossas vontades e existem as vontades da pessoa. . - Entendi. Quantas coisas. Agora uma brincadeira rápida: se o seu coração fosse transformado em uma criatura mágica, baseada em suas experiências com o amor, qual criatura seria e por quê?

Um explosivim (criatura do universo Harry Potter). É tipo um crustáceo com uma carapaça metálica, no qual são vistos poucos espaços de carne. Sinto que meu coração criou uma barreira muito forte, que repele facilmente as investidas daquele que diz ser o amor. De vez em quando, este encontra uma brecha e consegue atingi-lo. Começa com um pedaço pequeno, mas logo se ramifica e quando percebo, o “problema” já foi criado. . - Eu vim conversar contigo porque vejo que o mundo mudou muito. As pessoas passaram a ver a paquera, o romance, o amor e o sexo de formas diferentes, nem sempre com verdade. Então, me diga: com tudo que você vivenciou e aprendeu com amores passados, como você se sente em relação a viver um novo amor?

Tento simplesmente não criar expectativas. Apenas faço as lições básicas. Tudo hoje é muito descartável. As pessoas estão com você naquele momento, até se sentirem mais atraídas por outras. As redes sociais colaboram negativamente muito nessa questão. Um simples “oi” ao lado de um emoji pode fazer uma pessoa que está com você, cogitar pular para outra relação. Num namoro, jamais existirá a equação na qual ambos estão se amando 50% cada. Sempre uma pessoa gosta um pouco mais do que a outra.

- Que interessante! Adorei nossa conversa e estou cheio de reflexões, mas preciso retornar. Gostaria de levar uma mensagem sua sobre o amor para outras pessoas, qual mensagem seria? Ame você primeiro.



Eros retornou aos céus e você ficou sabendo um pouco sobre as alegrias e dores que Vitz vivenciou através do amor em seus relacionamentos. Ele foi, mas como é curioso, logo irá retornar para conversar com outra pessoa sobre suas aventuras amorosas. #dehappyabad

37 visualizações